Como encarar e gerar oportunidades nas mudanças

Nessa era de instabilidade e transformação contínua, empresas e profissionais precisam ser ágeis para se adaptar.

Por Renata Aranega

Tenho visto crescer o interesse em saber lidar com as mudanças e encará-las de forma positiva no dia a dia pessoal e profissional, tirando o foco das perdas e colocando-o em oportunidades. Em uma pesquisa rápida que efetuamos com cerca de 400 colaboradores de uma grande empresa, o tema “como encarar e gerar oportunidades nas mudanças” foi o segundo mais votado e, quando abrimos as inscrições para o workshop, as inscrições se esgotaram rapidamente. Creio que o resultado relaciona-se aos seguintes fatos: mudanças são constantes, desafiadoras e os profissionais e empresas precisam de ajuda para encará-las.

Nessa era de instabilidade e transformação contínua, empresas e profissionais precisam ser ágeis para se adaptar. Mesmo sabendo disso, negação e resistência às mudanças são as principais causas de falhas durante as iniciativas de mudança organizacional. Isso ocorre porque nossos cérebros buscam conforto e previsibilidade, justamente o que não temos nesses contextos. A pergunta que fica é: o que precisamos fazer para aumentar o nosso estado de prontidão às mudanças? A ciência demonstra que a Resiliência (capacidade de lidar com as mudanças) é a chave para que os indivíduos respondam de forma adaptativa aos movimentos de mudança e a boa notícia é que a resiliência pode ser desenvolvida.

Segundo Andrew Shatté, resiliência é a chave do sucesso nos dias de hoje. Nesse artigo, falarei sobre resiliência e sobre como desenvolvê-la, utilizando conhecimentos que adquiri em minha jornada de consultora e de conteúdos compartilhados pelo Dr. Shatté em sua conferência “It´s Time to Rewire Our Brains: The Secretto Success in the Face of Unrelenting Change”

Antes de dar dicas de como desenvolver a habilidade sociemocional chamada de “Resiliência” acho importante clarificar o que é e quais os 7 fatores que a compõem.

Resiliência – o que é

Do ponto de vista físico, resiliência é a propriedade que alguns corpos apresentam de retornar à forma original após terem sido submetidos a uma deformação elástica. Mas do ponto de vista figurado, é a capacidade de se recobrar facilmente ou se adaptar à má sorte ou às mudanças (Fonte: dicionário).

Pra mim, resiliência é a capacidade que uma pessoa tem de flexibilizar suas emoções quando uma mudança acontece, enxergar a nova situação através de uma lente de otimismo, gerenciar o estresse e colocar-se em estado de prontidão para “fazer do limão uma limonada”.

E quais são os 7 fatores que compõem a Resiliência?

Sugiro que você leia os 7 fatores que compõem a resiliência e se autoavalie em relação a eles, atribuindo uma nota de 1 a 10 a cada um. Quanto maior a sua nota, maior será o seu nível de satisfação com a forma como você expressa a habilidade no dia a dia.

Vamos lá?

Fator 1 – Controle emocional: é a capacidade de compreender e gerenciar a suas próprias emoções no dia a dia, nos relacionamentos e nas tomadas de decisão, cuidando para não se deixar levar por elas. Sua nota: ……….

Fator 2 – Controle do impulso: é a capacidade de conter o impulso de agir,evitando reações e decisões imprudentes.Sua nota: ……….

Fator 3 – Otimismo: é a capacidade de se concentrar no que tem a ganhar e de compreender que sempre existe uma forma de resolver os problemas.Sua nota: ……….

Fator 4 – Eficácia pessoal: é a sua capacidade de entregar bons resultados e de gerenciar a sua própria performance.Sua nota: ……….

Fator 5 – Empatia: é a sua capacidade de compreender o que os outros sentem e o que realmente importa para eles.Sua nota: ……….

Fator 6 – Resolução de problemas: é a capacidade de se manter objetivo e resoluto mesmo diante de situações estressantes.Sua nota: ……….

Fator 7 – Capacidade de realização: é a sua capacidade de fazer as coisas acontecerem, mobilizando pessoas e recursos em prol de um objetivo específico. Sua nota: ……….

Após ter lido as descrições dos fatores e feito a sua autoavaliação, peço que eleja no máximo 2 fatores que você deseja desenvolver. E após esta escolha, leia abaixo as dicas que deixo para inspirar a criação de seu plano de autodesenvolvimento. Minhas dicas não correspondem aos únicos caminhos de desenvolvimento, mas podem funcionar como um ponto de partida ou como um guia para você criar as suas próprias estratégias.

Dicas para desenvolvimento de cada fator/ atributo

Atributo Sugestão de Estratégia para desenvolvimento
Controle emocional Faça um caderno de revisão diária. Nesse caderno, anote os eventos desarmônicos do seu dia e correlacione: sentimentos envolvidos e possíveis necessidades não atendidas. Entender o que ou quem induz a sua perda de controle emocional é o primeiro passo.
Controle de impulso Parece óbvio! mas conte até dez ou, se possível, adie decisões importantes para amanhã. Uma noite de sono pode ser a cura mais poderosa para o controle do impulso.
Otimismo Faça uma timeline de mudanças importantes ocorridas em sua vida e anote quais os ganhos que você obteve a partir de cada uma delas. Os casos de sucesso do passado te ajudarão a enfrentar mudanças do presente e futuro.
Eficácia Pessoal Nosso cérebro precisa de realizações para atuar de maneira saudável. Por isso, se você tem sonhos ou projetos, “quebre-os” em pequenos projetos de curto prazo, para que você tenha chance de apresentar resultados frequentes. Isso te dará recursos para continuar.
Empatia Faça o mapa de empatia das pessoas que trabalham ou convivem com você. O que pensam, sentem, o que importa para elas, quais seus sonhos, o que falam, o que gostariam de escutar de você. Ampliar sua empatia é uma das formas de ampliar a sua resiliência, pois te tira do foco do “eu” e amplia para o “nós”.
Resolução de problemas Antes de resolver qualquer problema, coloque a “máscara de oxigênio” em você. Pergunte-se: sou eu mesmo que preciso resolver isso? É relevante? Preciso fazer isso agora? Se a resposta para alguma dessas perguntas for NÃO, agende a solução. Se for sim para tudo, respire fundo, trate suas emoções e em seguida faça o que tem que ser feito. Lembre de respirar por alguns minutos, para que seu córtex pré-frontal esteja no comando.
Capacidade de realização Se você deseja construir coisas das quais se orgulhe, questione antes de mais nada o propósito do que você quer fazer. Quanto mais relevante for esse propósito, para você e para os que estão a sua volta, maior as suas chances de sucesso. E se o propósito é bom, faça um plano de ação e coloque-o em movimento, buscando aliados que compartilhem do mesmo objetivo e dos mesmos valores que você.

Espero que esse artigo tenha trazido bons insumos para que você questione a sua capacidade de lidar e encarar as mudanças como oportunidade. E que tenha te ajudado a compreender como está a sua resiliência e quais fatores você precisa desenvolver para alavancá-la.

Que venham as mudanças!

*Texto original publicado no portal Administradores.

E-book Mundo VUCA