Três coisas que todos nós deveríamos saber sobre desejos

Três coisas que todos nós deveríamos saber sobre desejos

A faixa da Main Street em Mount Pleasant, Vancouver, é um trecho de um quilômetro e meio que oferece todo prazer sensorial que você possa imaginar.

Cerveja artesanal. Sushi. Café especial. Roupas da moda. Pizza e hambúrgueres. Móveis ergonômicos. Sorvete artesanal…

No mês passado, na minha primeira noite de volta à civilização depois de um retiro de silêncio de sete dias, passei a maior parte da noite caminhando lentamente naquela faixa.

Ainda hiperconsciente e hiperpaciente por causa do retiro, eu continuei percebendo algo que minha mente normalmente só faz em segundo plano.

Talvez por quinze ou vinte vezes diferentes, percebi que estava muito empolgado em adquirir algo – uma fatia de pizza, um livro, uma sobremesa, um café – e então percebi essa sensação de dissipação.

Cada um desses desejos veio e foi embora, um de cada vez, e a experiência foi sempre a mesma. Havia cinco ou dez segundos de desejo realmente intenso – sim! Isso! Eu poderia comprar isso!

Depois, houve um minuto ou mais de entusiasmo prolongado, talvez alguma racionalização relacionada ao dinheiro em relação à aquisição do caderno de anotações ou do sorvete de mirtilo com lavanda em questão.

Mas se eu apenas continuava andando pela frente da loja, a sensação se esgotava rapidamente. Cinco minutos depois, eu conseguia lembrar, mas a atração emocional tinha ido embora.

Os desejos começam a desaparecer assim que chegam, mas nossas respostas a eles podem ter consequências de longo alcance.

O que tendemos a fazer durante esses segundos cruciais pode fazer toda a diferença entre boa saúde ou má saúde, aposentar-se aos 40 ou aos 70 anos e ser geralmente feliz ou geralmente infeliz.

Não é muito difícil dizer que as habilidades fracas em “gestão de vontades” criam praticamente todos os problemas da sociedade – corrupção, vício, violência, dívida, amoralidade corporativa, produtos ruins, destruição ambiental e qualquer outra coisa lamentável em seu jornal.

Dado que desejos essencialmente impulsionam a sociedade, é bastante surpreendente que nós não recebamos muito treinamento em como responder a eles, ou até mesmo reconhecê-los quando estão acontecendo.

A falsa escolha que aprendemos quando crianças

Três coisas que todos nós precisamos saber imediatamente sobre o desejo

Quando crianças, os adultos em nossas vidas tentaram administrar nossos desejos simplesmente nos dizendo que não podemos ter o que queremos.

O doce, o brinquedo, o programa de TV que viria em seguida – eles disseram que não, nós não podemos tê-lo, e se necessário, fisicamente nos impediu de ter a coisa.

Sofremos silenciosamente, ou em voz alta, todas as vezes. Nossas jovens mentes rapidamente determinaram que todo desejo produz um de dois resultados: obter a coisa, ou sofrer por não receber a coisa.

Então nós crescemos e começamos a ganhar nosso próprio dinheiro, e agora a tia Sally não pode nos impedir de comprar todos os doces que desejamos. Nossos gostos geralmente mudaram, no entanto, para coisas mais caras, como roupas, móveis, carros e bebidas.

Aprendemos muito lentamente, se é que aprendemos, melhores habilidades para lidar – ou mesmo reconhecer – essa torrente interminável de desejos emergentes.

Alguma sabedoria se desenvolve ao longo dos anos, em parte através de desentendimentos com dívidas de cartão de crédito, sustos de saúde, vício e outras experiências obscuras de aprendizado.

Apenas reconhecer algumas realidades fáceis de ignorar sobre o desejo nos ajuda a criar hábitos saudáveis ​​e que melhoram a vida.

Pode ficar muito mais sofisticado – o budismo é essencialmente um estudo de 2.600 anos sobre o gerenciamento de desejos, e não é por acaso que minhas experiências na Main Street vieram depois de um retiro silencioso.

Isso pode não ser para você, mas há pelo menos três coisas que todos nós precisamos saber sobre a natureza do querer.

Três coisas que todos nós precisamos saber imediatamente sobre o desejo

1. Desejos aparecem constantemente

Você já experimentou milhões de desejos e haverá milhões a mais.

No entanto, operamos como se quiséssemos apenas uma coleção finita de coisas, e a vida é uma busca para obter essas coisas, para que possamos finalmente relaxar e nos sentirmos estáveis ​​e felizes.

Mas há algo suspeito aí – se você fosse escrever em um diário todas as coisas que está querendo, o resultado obviamente não é uma lista das coisas necessárias para fazer você feliz.

“Quebra-cabeças edição comemorativa do 50º Aniversário do Sargento Pimenta” não é um ingrediente vital para o meu bem-estar.

Mesmo listar um único dia de desejos tornaria óbvio que o desejo é apenas uma função evolucionária configurada em modo acelerado permanente – Mais segurança! Mais estimulação! Gordura e açúcar! Sexo! Status! Todas as coisas!

Claramente não há um plano aqui, nenhum roteiro para o bem-estar, apenas um macaco com um megafone e uma lista interminável de demandas – cada uma das quais custa algo a cumprir.

2. Desejos são um tipo de dor

Muitas vezes pensamos nos desejos como agradáveis, porque os associamos às nossas fantasias sobre a aquisição da coisa em questão.

Mas, se você prestar atenção no desejo em si, é um sentimento tenso e abrupto, que torna o momento presente muito menos tolerável.

Nas sociedades de consumo, muitas vezes aliviamos essa tensão habitualmente pagando pelo desejo – adquirindo a coisa, sacrificando alguma quantia de dinheiro, saúde ou autoestima, mesmo se soubermos, em algum nível, que não vale a pena.

Se você quiser ver a dor do desejo, separada das expectativas calmantes de realmente adquirir a coisa, diga ao seu filho que você vai tomar sorvete, depois diga a ele que mudou de ideia.

A criança não ganhou ou perdeu nada, mas simplesmente colocar esse desejo em sua pequena mente, sem a promessa de alívio, cria tanto sofrimento que é claramente uma coisa cruel de se fazer.

Observe também que em algum momento o desejo desaparece, mesmo que o sorvete nunca tenha sido entregue. Todas as birras acabam, não importa a nossa idade.

Mas o sofrimento é real, e uma vez que fixamos nossos pequenos corações em algum objeto atraente, a dor pode se estender de momentos a horas e, a essa altura, não tem nada a ver com sorvete.

3. Desejos não duram

Isso foi óbvio durante minha caminhada pós-retiro em Vancouver, mas normalmente é difícil de ver: os desejos não duram muito tempo.

Eles são espasmos de curto prazo da mente, e este é um ponto vital para reconhecer se você quiser ser financeiramente estável, saudável, com princípios e capaz de manter um cronograma administrável.

Imagine que você está em casa com seu parceiro, em uma noite super comum, assistindo Um Morto Muito Louco na Netflix. Durante uma cena em particular, você sente uma onda de entusiasmo quando tem uma ideia:

Ei! Eu poderia ter um barco! Eu poderia estar cruzando as ondas, usando um chapéu de capitão branco, iluminado por raios de sol dourados.

Sem reconhecer essa ideia como o espasmo momentâneo que é, você decide “Sim! Eu vou comprar! Eu consigo. Fred tem um barco e eu ganho pelo menos tanto quanto ele.”

Mais tarde, ainda animado, você procura por barcos no Google, os preços e lê as Perguntas frequentes de um proprietário de barco.

O que poderia ter sido uma digressão mental de 90 segundos, durante uma noite de cinema comum na terça-feira, tornou-se uma saga de anos de pressão financeira, incluindo uma data de aposentadoria muito posterior.

Só muito ocasionalmente essa situação produz alguns dos prazeres idílicos (mas desnecessários) de cruzar ondas que você sonhava ao acaso naquele tempo no sofá.

Podemos pensar que nossos desejos por coisas grandes e caras devem surgir de necessidades correspondentemente profundas e significativas, mas, na verdade, é apenas a mente que diz “Sim! Isso! Eu poderia ter isso!” pela milionésima vez.

Lembrando de qualquer um desses pontos durante aquele surto inicial de desejo, podemos evitar a rota extremamente cara de “conciliação”.

Você pode perceber que quer algo e, em vez de entrar no modo de negociações – como seria bom, como você poderia justificá-lo – você pode pensar, “Ok, o desejo nº 10223235 chegou. Ele não vai ficar aqui muito tempo e, enquanto isso, não vou deixar ele me abalar.”

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Raptitude.

A Universidade da Mudança está sempre em busca dos melhores e mais novos conteúdos relacionados à Mudança. Continue com a gente e se permita ser impactado pela energia do novo!

Você é, assim como nós, um incomodado? Aproveite e baixe o E-Book “Tudo o que os incomodados precisam para mudar”. É grátis!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

COMO ORGANIZAR PALESTRAS?

Este e-book traz tudo que você precisa saber para organizar palestras de sucesso em eventos corporativos.
Se você quer garantir o sucesso de seu evento, então baixe este E-book.

>>BAIXAR O E-BOOK